Blog do Enio

Wings for Life – 06/05/2018

Depois de quatro anos, voltei a participar da Wings for Life. Fiz a primeira edição em Florianópolis em 2014 e depois que o evento se mudou para Brasília não tive vontade de fazer. Este ano, mudou novamente, agora para o Rio de Janeiro. Como fazia tempo que não ia para o Rio e a Andressa também achou uma boa ideia, fizemos a inscrição. Além de ser no Rio, o evento tem a causa nobre que é ajudar na pesquisa da medula espinhal. Também foram a Ana e o Ricardo, padrins do Por Falar em Corrida.

Optamos por ficar em um hotel no Recreio dos Bandeirantes, perto da largada. Achei bem em conta e era pertinho da praia também. Como na Wings o ônibus nos traria de volta para o Recreio, foi o lugar perfeito. A parte ruim da largada no Recreio é que é longe do aeroporto e longe de quase tudo. A retirada do kit foi na Barra da Tijuca. Então, saindo do aeroporto fomos direto para a Barra e dali para o Recreio. Fizemos nossa base no Recreio e almoçamos, passeamos e jantamos lá por perto mesmo.

A largada era às 8h e estava bem quente. Minha meta inicial era fazer 21 km, no mínimo, pensando já na Meia de Floripa. Porém, o joelho ainda estava reclamando da Meia Maratona de Balneário Camboriú. Eu estava meio mancando para andar e correr. Mesmo assim, tentei fazer esse ritmo de 5:40 min/km. As dores, o calor, o clima abafado foram fatores determinantes em me impedir de atingir o objetivo.

Consegui manter um ritmo legal só até o km 8. Dali em diante, desandou. Ou melhor, andei. Fiz duas boas paradas e caminhei. Além disso, intercalava trote com caminhadas. Estava bem incomodado com as dores, mais até do que o calor. Acredito que o calor minou um pouco das energias, mas as dores ficaram comigo desde o começo. No fim, só estava esperando mesmo o carro me passar e acabar logo. Foram 15,82 km em 1:30:54, ritmo médio de 5:45 min/km.

No geral, o ritmo ficou bom e razoável, mas a quebra foi muito grande. Durante a corrida parecia que tinha sido muito pior, mas os ritmos até que ficaram bem parecidos. O único que fugiu mesmo foi o km 12 a 6:55. Além desse, o 10º km foi a 6:03. Todos os outros abaixo de 6. Só que como o objetivo era abaixo de 5:40, pareceu pior do que foi. Nesta prova, tentei testar a suplementação com doce de leite, mas um deles caiu durante o percurso e o outro não ajudou muito porque já estava quebrado.

Além das dores, fui com shorts em vez de bermuda de compressão. Deu uma leve assada nas coxas porque estava meio acima do peso. Mesmo assim, entrei no mar no domingo. Foi um momento bem dolorido. A prova é bonita, a causa é nobre, o Rio é bonito, o passeio foi ótimo, mas meu desempenho ficou aquém do que poderia. Creio que se o joelho estivesse sem problemas, teria sido menos sofrido. Mais uma Wings na conta. Vale a pena participar.

Link do Garmin: https://connect.garmin.com/modern/activity/2677909322

(Visited 1 times, 1 visits today)
Enio Augusto
Começou a correr em 2008. Não estava acima do peso, mas descobriu que gostava de correr. Parecia simples e fácil. Corre mais por teimosia do que por algum talento natural. Sonha em correr mais rápido e acha que um dia vai chegar lá.
https://porfalaremcorrida.com/blogdoenio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *