Três

Na sexta-feira, falei que pretendia fazer o treino longo mais longo do ano no sábado. Dito e feito. Nestes dias sem muito compromisso, mesmo sendo bem quente, o sábado é uma oportunidade de acordar a hora que o corpo quiser, sem despertador para importunar. Acabei até indo cedo, mas mesmo assim já enfrentando o calor do dia.

Comecei o treino antes das 8h e o planejamento era fazer 40 minutos. Era a ideia que tinha na cabeça ao sair de casa. Correr sem parar esse tempo. No fim das contas, saiu um treino satisfatório de 45 minutos em ritmo de 6:06 min/km, bem constante. Gostei bastante, mas acredito que sozinho certamente iria parar nos 40 minutos e talvez fosse mais devagar.

O acaso me ajudou e logo no fim do 1º km encontrei o amigo Renato Ventura fazendo seu treino na Beira Mar. Não pensei duas vezes, dei meia volta e fui tentar acompanhá-lo. O bom é que nós dois estávamos voltando a correr com mais frequência e ficou um ritmo bom. Corremos e conversamos e o ritmo era a menor das preocupações.

Esse encontro inesperado me fez correr um pouco a mais do que o planejado e mais rápido do que pretendia. Ainda teve um bônus de um convite para o aniversário da Clara, filha do Renato, no sábado à tarde. Ou seja, sábado foi um dia vermelho na tabela. Muitos salgadinhos, docinhos e bolo. De todo modo, sábado saiu o treino mais decente do ano.

No domingo, resolvi aproveitar o dia e fiz um intervalado fajuto e na segunda, às 17h, com temperatura de 29ºC e sensação de 980, fiz mais uma rodagem, desta vez um fartlek livre e sem compromisso nenhum. Digamos que o objetivo era sobreviver ao calor. Feito isso, a terça é de folga e parece que as coisas estão se ajeitando. De pouco em pouco, vamos em frente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *