Enio Diário

Subindo as escadas

Desde o começo do ano me propus a utilizar as escadas do prédio mais vezes. Só não sabia bem como colocar isso em prática. Até começar os treinos para a Golden Four SP em abril, toda vez que chegava no prédio pelo térreo subia pelas escadas e dispensava o elevador. Não durou muito tempo. Os treinos começaram e mudei a rotina. Toda vez que chegava do treino, subia pela escada. Às vezes, era tão automático usar o elevador que só me lembrava das escadas quando já estava nele.

Depois da Golden Four SP, no começo de agosto, decidi mudar de novo. Não parecia muito producente e útil subir as escadas após todos os treinos. Vi nas postagens do Adriano Bastos que nos treinos para a Uphill ele incluiu as subidas de escada na rotina antes das rodagens. Enviei um e-mail para ele e perguntei o que ele achava de eu incluir na minha rotina também, visto que a Golden Four DF tem uma subida constante do km 9 ao 14 que pela experiência de 2013 vai exigir um pouco mais de força da minha parte.

Ele disse que para ele fez toda a diferença e que subir as escadas podia me ajudar. Não custava tentar, né? Uma semana depois da Golden Four SP, comecei a incluir as subidas de escada aos poucos. Testei o que era melhor, se antes ou depois das rodagens, e fui em frente. Ainda não encontrei o número certo de vezes para subir as escadas nos dias com rodagem depois. Inclusive, faz três semanas que deixei de lado as subidas na segunda. Quero ver se a partir da próxima segunda volto a subir as escadas antes de correr.

Enquanto as subidas na segunda e às vezes na quarta estão meio claudicantes, as de sexta-feira estão firmes e fortes. Comecei subindo 6 vezes os 12 andares do prédio pela escada. Aumentei para 7, 8 e cheguei na última sexta nas 10 vezes programadas que tinha como objetivo no começo de tudo. Na sexta, tenho um dos dias de descanso, sem correr. Aproveito para fazer as 10 repetições neste dia. Fica menos pesado e tem funcionado. Na primeira vez, 6 subidas deixaram minhas pernas moles. Depois, com 7, 8 e 10, as pernas foram acostumando e nem sentem muito os efeitos pós-exercício.

Para registro, o prédio tem 12 andares e cada andar tem 16 degraus, o que totaliza 192 degraus por subida. Das primeiras vezes, subia com o Garmin e marcava o tempo de cada subida e tentava fazer a última da série ser a mais rápida. Depois, comecei a ir sem nada. Ficou mais leve, sem pressão. Foi muito mais fácil e menos massante cumprir as subidas. O que tento é fazer como o Adriano falou: subir sempre degrau por degrau, um a um, com passadas rápidas e curtas, sem segurar o corrimão, só na força das pernas. Essa é a minha musculação. As escadas e as subidas normais das rodagens. Espero que ajude. A parte de ficar cansado funciona muito bem.

(Visited 215 times, 1 visits today)
Enio Augusto
Começou a correr em 2008. Não estava acima do peso, mas descobriu que gostava de correr. Parecia simples e fácil. Corre mais por teimosia do que por algum talento natural. Sonha em correr mais rápido e acha que um dia vai chegar lá.
https://porfalaremcorrida.com/blogdoenio

4 thoughts on “Subindo as escadas

  1. Tenho um amigo que participa dessas corridas verticais, de subir escadas de predios…. existe e ‘e verdade! Eu sempre pergunto como faz pra saber o vencedor ele diz que sao divididos em ondas, que ‘e mais por cronometragem, vc so sabe se ganhou depois de todas as ondas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *