Geral

Pedrinha

Parece que estou conseguindo retornar à rotina de treinos. Desde que voltei, passei mais dias correndo do que parado. E o melhor: sem nenhum sinal da dor no tendão. Tem ainda o fato de que nos dias de semana estou conseguindo acordar cedo e correr antes de todas as outras atividades.

Hoje foi mais um desses dias. Apesar de ter me atrasado uns minutos (e isso dá muita diferença no resto do dia porque tem hora para entrar no trabalho), consegui correr quase 40 minutos. Sem nenhum sinal de sol ou luz do dia. Temperatura muito agradável.

Chegando em casa, tirei os tênis e bati para sair as possíveis sujeiras ou pedrinhas de dentro deles. Por acaso, olhei a sola do tênis e vi ali umas pedrinhas. O DS Racer 9 tem uma sola com vários furos. Não consigo entender para que servem esses furos além de entrar pedras.

Pois bem. Fui tirando as pedrinhas que ali estavam. Só que teve uma que não saía de jeito nenhum. Já estava bem para dentro. Fui olhar dentro do tênis e descobri que onde ela estava era onde, às vezes, sentia uma ponta na sola do pé. Bingo! Era a pedrinha maldita.

Usando todo meu senso cirúrgico, coloquei a mão dentro do tênis, pressionei a pedrinha até ela ficar fácil de tirar por fora. Ainda vou descobrir para que servem essas solas com furos. Enquanto isso, fico de olho se vai ter alguma pedrinha por ali. O incômodo pode estar nas menores coisas.

(Visited 44 times, 1 visits today)
Enio Augusto
Começou a correr em 2008. Não estava acima do peso, mas descobriu que gostava de correr. Parecia simples e fácil. Corre mais por teimosia do que por algum talento natural. Sonha em correr mais rápido e acha que um dia vai chegar lá.
http://porfalaremcorrida.com/blogdoenio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *