Enio Diário

Evitando o atraso

Volta e meia, quando estou a caminho do trabalho, vejo muitos carros passando por mim, apressados, em alta velocidade. Também estou a bordo de um veículo e fico admirado da pressa desse pessoal todo. Dentro de um carro, as pessoas se transformam. Algumas querem ganhar a corrida mundial imaginária de automóveis.

Também pode acontecer de elas estarem atrasadas. Dorme um pouco mais, perde um pouco de tempo ali, acolá e quando vê está em cima da hora para sair. Ou até depois da hora. Geralmente, quando você se atrasa tudo conspira contra, parece que tudo dá errado. Muitas das vezes, são as mesmas coisas de sempre, mas você só nota porque está atrasado.

Para evitar esse tipo de coisa, programei diversos horários no alarme do telefone. Ao total, são três alarmes antes do horário do expediente. A cada vez que ele toca já sei o que deveria estar fazendo naquele momento. Tem funcionado bem. Em poucos dias houve atraso. Na maioria das vezes, estou no horário e só me divertindo com a pressa dos outros.

Quando me atraso, o que faço? Vou sem pressa. Já estou atrasado mesmo. Acelerar pode fazer me atrasar mais. Esse mundo louco aí fora não permite que todos sejam negligentes no trânsito. Na corrida, é um pouco assim. Sim, fiz todo o texto aí em cima antes para chegar na corrida.

Se você quer fazer um determinado tempo em uma corrida, sabe o ritmo que vai ter que fazer. Sabe também que se perder tempo no começo, vai ter que tirar o atraso depois. Dependendo do atraso, você pode fazer como os motoristas loucos e acelerar para compensar. Comigo, geralmente não dá certo.  Ainda chego atrás do objetivo, não tão longe e mais cansado.

Ou você pode perceber que o atraso acabou com suas chances e esquecer da corrida. Fazer no ritmo que der. Também pode tentar tirar aos poucos, mas consciente de que talvez de nada adiante. Quanto mais perto do fim da corrida, mais você percebe que não vai dar. Acontece muito comigo. Por isso, que sempre sei o ritmo que preciso fazer em uma corrida.

Na Maratona de Santa Catarina, o ritmo deveria ser de no mínimo 4:29. Nenhum quilômetro foi neste ritmo. Já sabia que não ia dar. Na Golden Four SP, estabeleci o ritmo de 4:40 e também não fiz nenhum quilômetro no ritmo. Ou seja, na metade de ambas as provas já sabia que estava atrasado e para conseguir o tempo teria que fazer muito mais força.

É como se fosse um time lutando contra o rebaixamento. No primeiro turno, faz aproveitamento de 20%. No segundo turno, tem que fazer 80%. Na corrida é pior. Porque você faz metade abaixo do que deveria e depois está ainda mais cansado para fazer a segunda metade mais rápida. Quando você se atrasa, nem adianta estressar. Já começou tudo errado. Melhor pensar que vai chegar, ainda que seja depois do programado.

(Visited 25 times, 1 visits today)
Enio Augusto
Começou a correr em 2008. Não estava acima do peso, mas descobriu que gostava de correr. Parecia simples e fácil. Corre mais por teimosia do que por algum talento natural. Sonha em correr mais rápido e acha que um dia vai chegar lá.
http://porfalaremcorrida.com/blogdoenio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *