Blog do Enio

250 metros

Depois de alguns treinos desconfortáveis e de rodagens com ritmo mais forte, além da corrida do último domingo em ritmo mais rápido do que vinha praticando, resolvi colocar de novo, aos poucos, intervalados na minha rotina. Comecei na quinta da semana passada. Como ainda não estou naquele ritmo de treinos de fazer certinho o intervalado, adotei como distância as faixas pintadas na Beira Mar de São José.

Lá, além dessas listras no chão, tem também as plaquinhas, ambas a cada 250 metros. Durante as rodagens, percebi que estava faltando uma dessas plaquinhas. Então, nos tiros, tomei como base a faixa do chão. Algumas estão meio apagadas, mas dá para saber onde ficam. Optei por correr uma distância padrão para não ter que ficar controlando o tempo no relógio, como fazia ano passado.

Com a distância já definida pelas faixas no chão, só preciso apertar o botão de lap quando passo por elas. Como o meu Garmin é o 10, ele não programa os treinos. Aí, não é tão preciso. Se eu aperto um pouco antes ou depois, pode dar uma variação, mas no geral em quase todos os tiros vejo que dá 250 metros. Faço 250 metros forte e 250 metros em forma de trote. Na semana passada, fiz 6 repetições. Não foi grande coisa, mas serviu para correr por um tempinho em ritmo mais forte. Deu média de 1:08, ritmo médio de 4:33 min/km.

O bom de ser 250 metros é que passa rápido. Encaixa perfeitamente com a minha falta de vontade de fazer força por muitos metros. Esperei passar uma semana e hoje fiz de novo. Desta vez, programei melhor o aquecimento e consegui fazer 10 repetições de 250 metros na Beira Mar. Da outra vez, meu aquecimento terminou na Beira Mar e já tinha passado por algumas faixas do chão.

A parte da Beira Mar com as faixas pintadas tem uma extensão de 2.500 metros. Ida e volta dá 5.000 metros. São 10 faixas no total. Indo e voltando são 20. Como faço um forte e um fraco, 10 repetições é o mais normal, desde que termine meu aquecimento antes de chegar ali. Hoje, por causa do vento, a média ficou mais devagar do que semana passada.

Na ida era muito vento contra. Fazia força e parecia que não saía do lugar. A volta compensou um pouco. Alguns tiros foram com vento me empurrando e outros com ele meio de lado, não atrapalhava nem ajudava. No fim, média de 1:11, ritmo médio de 4:42 min/km. O mais legal de tudo foi o último tiro, que sempre tento fazer o melhor possível. Acelerei, não pensei em muita coisa e fui, só esperando pela faixa branca, que desta vez demorou muito mais para chegar.

No entanto, o tiro que parecia que a faixa nunca ia chegar foi o mais rápido de todos. Fiz os 250 metros em 59 segundos, ritmo médio de 3:57 min/km. Fez muito sentido esse ritmo. Pela sensação de esforço e desequilíbrio, imaginei que ia sair algo assim. Agora só me falta coragem e vergonha na cara para quando fizer outro intervalado tentar manter este ritmo em todas as repetições e não só na última.

Estava pensando em fazer semana que vem mais um intervalado, mas logo depois do fim do treino senti um leve incômodo no pé. Por via das dúvidas, vou adiar o da semana que vem e ficar monitorando a situação. Pode não ser nada, pode ser apenas o corpo reclamando de um esforço que não fazia há tempos. No entanto, pode ser algo também. Depois das lesões deste ano, minha primeira opção é que sempre pode ser alguma coisa, torcendo para que não seja.

(Visited 124 times, 1 visits today)
Enio Augusto
Começou a correr em 2008. Não estava acima do peso, mas descobriu que gostava de correr. Parecia simples e fácil. Corre mais por teimosia do que por algum talento natural. Sonha em correr mais rápido e acha que um dia vai chegar lá.
https://porfalaremcorrida.com/blogdoenio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *