Um bom treino


Os treinos continuam. Segunda-feira, mantendo a rotina de utilizar a bike, saí para pedalar. Já tinha pedalado sexta e domingo. Na segunda, tentei fazer algumas acelerações. Dei uma volta pela Beira Mar, meia hora e já estava bom. Poderia ter feito mais tiros, mas senti que o joelho poderia reclamar. Preferi só pedalar em ritmo de passeio.

Ainda teve o fato de a bicicleta começar a fazer barulhos novamente. Não era nada muito alto e chato, mas notei que eles estavam começando a se manifestar novamente. Parece que fazer treinos de tiro na minha bicicleta velha e sem manutenção tem algum efeito nos joelhos e também na própria bike. Por via das dúvidas, pedalei sem forçar.

Ontem, já rendeu melhor. Afinal, era treino de corrida. Segui o plano de acordar uma hora antes e correr bem cedo. O treino começou às 5h31. Isso foi quando o Garmin achou o sinal, mas antes já estava trotando para aquecer. De manhã, em dia de semana, não fico esperando o sinal parado ou andando. Já vou trotando para ganhar tempo. Por isso, às vezes, no registro do relógio, o aquecimento fica tão curto.

A planilha pedia 5 repetições de 2 minutos forte e 1 minuto mais forte ainda. Novamente, sem me preocupar com o ritmo. Só correndo rápido quando precisava e trotando quando era o momento. Tentava focar a atenção na respiração e aproveitava que as ruas da cidade antes das 6 da manhã estão praticamente vazias. Fica bem mais fácil de correr.

Durante os tiros, achava que o ritmo era um e quando olhei em casa foi outro, mais rápido. Ao final de cada repetição, ficava meio cansado, mas não me sentia correndo forte. Em casa, a boa surpresa. Esse cansaço talvez tivesse a ver com o ritmo que consegui fazer.

A primeira repetição ficou em 5:16 e 4:32. A segunda em 4:46 e 4:29. A terceira em 4:56 e 4:54. A quarta em 4:51 e 4:22. A quinta e última em 4:53 e 4:19. Curioso que ao ver os ritmos pude constatar e comparar com os momentos em que senti mais cansaço, quando parecia que não tinha fluído muito bem.

A terceira repetição foi a que me senti pior no momento. E o ritmo confirmou. A quarta e quinta no tiro de 2 minutos também não me senti correndo bem. O ritmo está ali para mostrar que realmente não foi aquelas coisas. Em compensação, por sentir que não tinha sido bom, tentei fazer força no de 1 minuto. Parece que funcionou.

Olhando todos os ritmos, apenas o primeiro ficou fora do padrão. Tem o desconto de ser o primeiro e ainda não estar totalmente aquecido, acordado e disposto. Fora isso, gostei do treino. Durante, parecia que não seria bom. No fim, a sensação de que estava descompassado era porque estava em um ritmo mais forte do que imaginava. Um treino ruim é melhor do que não treinar, mas quando o treino é bom é melhor ainda.

 


Sobre Enio Augusto

Começou a correr em 2008. Não estava acima do peso, mas descobriu que gostava de correr. Parecia simples e fácil. Corre mais por teimosia do que por algum talento natural. Sonha em correr mais rápido e acha que um dia vai chegar lá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *