Tentando treinar

Lá fomos nós no sábado para mais um treino, mais uma tentativa de retorno, seguindo a planilha. Estar de férias nas últimas duas semanas ajudou bastante em fazer tudo o que a planilha pedia. Vamos ver se a partir de hoje consigo manter a sequência de treinos. Talvez eu tenha me precipitado no post de sexta, mas foi melhor escrever que estava cumprindo a planilha antes mesmo. Agora não sei mais.

A ideia é continuar, mas a tarefa já vai ser mais complicada. As manhãs não estão mais livres e ainda estou negociando comigo se acordo às 5 da manhã para fazer os treinos ou se vou à tarde, poucas horas depois do almoço. Ambas as situações tem suas desvantagens e vantagens. Tendo a gostar mais da ideia de fazer tudo logo no início do dia, mas o inverno e o frio podem fazer a opção vespertina vencer.

Voltando ao sábado, o previsto eram 5 vezes de 1 km e 5 vezes de 200 metros, precedidos de aquecimento. Era um bom teste de reinício depois da meia. Durante o aquecimento e até o primeiro tiro não foi muito fácil. O joelho ficou meio estranho. Depois se ajeitou. Talvez eu precise aquecer cada vez mais para ficar bom de correr.

De qualquer forma, apesar do sol, de começar quase 9h e ter uns 23ºC no termômetro da rua, fiz o treino. Foi meio sofrido. Estava quente e eu não estou muito preparado. Tinha ainda o joelho. As pernas e panturrilhas até estavam sem problemas. Optei por não olhar o ritmo que estava correndo. Apenas esperava o som do Garmin avisando que tinha feito 1 km para verificar como tinha ido.

Para minha surpresa, fui bem regular, apesar de cada repetição me sentir mais cansado e pensar que estava sempre mais devagar. O relógio mostrava o contrário, o que não me deixava desanimar para o tiro seguinte. O intervalo de descanso deveria ser de 45 segundos, mas demorei mais. Esperava chegar na marcação que tem na Beira Mar de São José a cada 250 metros. Pelas marcações tinha uma noção de quando terminaria o quilômetro, apesar de não olhar para o relógio.

A sequência foi 5:21, 5:24, 5:26, 5:22 e 5:13. Vejam que ficou uma pirâmide. Subiu, subiu, subiu e caiu. O 5:22 foi uma surpresa e o 5:13 foi uma tentativa de correr mais rápido. Acredito que em provas de até 10 km vou conseguir correr em um ritmo razoável, se nada de errado acontecer daqui para frente. Sem a preparação ideal ainda, fazer todas as parciais abaixo de 5:30 foi bem interessante.

Os tiros de 200 metros fiz todos, mas não foram lá essas coisas. Estava cansado e só pensando em terminar. Não consegui fazer a força necessária. Um deles ficou com ritmo até acima dos tiros de 1 km. Foi bom ir até o fim para ter a sensação de que completei 100% o proposto, mas gostei mais do que fiz no 1 km do que nos 200 metros. A semana que começa hoje tem uns treinos duplos, com bike e corrida no mesmo dia. Esse é um dos testes para seguir a planilha. O outro é a temperatura, que pode cair, além da chuva que pode aparecer.

Enio Augusto

Começou a correr em 2008. Não estava acima do peso, mas descobriu que gostava de correr. Parecia simples e fácil. Corre mais por teimosia do que por algum talento natural. Sonha em correr mais rápido e acha que um dia vai chegar lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *