Quando a chuva para


Temos vividos dias chuvosos em Florianópolis. O aplicativo do tempo invariavelmente está marcando 100% de chance de chuva em todas as horas do dia. Se o dia tivesse 30 horas, seriam 30 horas com 100% de chuva.

Tanta chuva complica um pouco meus planos de correr e pedalar nos dias que a planilha pede, mas estou conseguindo. No meio dessa chuva constante aparecem, digamos, janelas de horário quando ela cessa por uns minutos e fica mais fraca. É aí que vou para rua.

Ontem foi assim. Tinha que sair para pedalar uns 40 minutos e não parava de chover. Foi chegando no meio da tarde e decidi que iria não importando se chovia ou não. Iria para a Beira Mar e ficaria dando voltas por lá.

Por sorte, quando saí de casa a chuva tinha arrefecido. Foram quase 40 minutos pedalando com quase nada de chuva. No meio do treino, alguns pingos mas nada que fosse a chuva torrencial que vem caindo nos últimos dias. A rotina dos treinos tem sido assim. Fico de olho no tempo esperando uma brecha do tempo.

Quando a chuva para, é a hora. É uma constante a chuva não parar. Quando acontece isso, defino um horário para sair de casa. Se estiver chovendo ou não, vou igual. Por sorte, até agora, esses momentos foram os com menos chuva. Hoje à tarde tem treino de corrida e tudo indica que vai ser molhado.

Treinar na chuva até não é o problema. O ruim é ficar todo molhado no retorno para casa. A logística é ruim. Preciso me secar antes de entrar em casa, o tênis, as meias e as roupas obviamente molham e fica muito desconfortável. Quando é possível, evito, mas atualmente estar molhado ao fim do treino é o mais frequente.


Sobre Enio Augusto

Começou a correr em 2008. Não estava acima do peso, mas descobriu que gostava de correr. Parecia simples e fácil. Corre mais por teimosia do que por algum talento natural. Sonha em correr mais rápido e acha que um dia vai chegar lá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *