Passamos dos 40 minutos

40 minutosSaiu o treino que falei ontem de pelo menos 40 minutos . Não sabia bem como ia ser, nem se ia sair. O treino de quarta, principalmente o fim dele me deixou um pouquinho mais confiante. Hoje amanheceu um clima bom, temperatura em torno de 15ºC, gelado, excelente para correr. Aproveitei tudo isso e coloquei na cabeça que ia tentar correr em um ritmo mais firme, mas sem ficar olhando para o relógio.

O sinal do GPS ainda estava meio louco, como sempre fica, nos primeiros dois minutos. Então, quando o 1º km marcou 5:16 nem levei muito a sério. O que ia valer mesmo seriam os quilômetros seguintes. Se tudo desse certo, seriam pouco mais de 7 km em 40 minutos, o que fecha uma meia maratona pouca coisa abaixo das 2 horas, o objetivo mais palpável (e ainda não tão simples) na Meia de Floripa.

Fui com medo, mas fui. A dor não apareceu, felizmente. Só que continuo achando que a qualquer momento vai doer. O pé esquerdo ainda parece diferente do direito. No 3º km achei que ia dar problema, mas talvez fosse só o fato de ainda não estar aquecido. Não sei bem. Depois disso o treino se desenvolveu de uma maneira bem constante, sem sofrimento.

Pelas parciais, senti que seria possível alcançar os 7 km antes dos 40 minutos. O único problema mesmo foi a falta de fôlego e de costume das pernas. Ali pelo quarto quilômetro as panturrilhas já estavam querendo reclamar. Não era nada insuportável, era só alguém fazendo um esforço que há tempos não acontecia naquela intensidade. E olha que nem foi tão intenso assim.

As parciais do km 2 ao 7 foram as seguintes: 5:43, 5:37, 5:40, 5:32, 5:35 e 5:34. Nos momentos que me senti mais cansado, saíram as melhores parciais. Foi um bom teste. Sem dor, mas ainda desconfiado. Terminei com 7,33 km em 41:01. Vou ver como as pernas se comportam amanhã na recuperação e talvez domingo corra de novo. Vou avaliar a situação para não cometer abusos. Parece que está melhorando, mas prudência ainda é a melhor palavra.

Enio Augusto

Começou a correr em 2008. Não estava acima do peso, mas descobriu que gostava de correr. Parecia simples e fácil. Corre mais por teimosia do que por algum talento natural. Sonha em correr mais rápido e acha que um dia vai chegar lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *