O raio x do pé 7


raio xSexta-feira, enfim, decidi ir ao plantão para tentar descobrir logo o que estava me incomodando no pé esquerdo. A consulta estava marcada para o distante dia 7 de junho. Seguindo a sugestão do Guilherme, ainda que com uns dias de atraso, fui em busca de alguma resposta. Ou pelo menos um raio x que mostrasse o que estava errado ou não com o pé.

Achei que ia esperar um monte porque não era hora marcada, mas não: foi até bem rápido. Em pouco mais de uma hora consegui o que queria. O raio x mostrou que não tenho nada no pé. Nem no osso nem nos tendões. Ou seja, a dor estava ali porque estava ali. Presumo que seja da mudança do meu jeito de correr. Até novembro do ano passado, pisava com o calcanhar. Desde então, mudei para tentar pisar com o médio pé.

Acredito que possa ter exagerado um pouco nesse início e nessa fase de transição. Por enquanto, não tem fratura nenhuma por ali. Falei até agora a minha opinião porque a do médico, sinceramente, não me serviu para nada. A ida ao plantão foi útil para conseguir fazer o raio x e já saber se tinha alguma coisa no pé. Relatei para ele a dor e a situação e ele veio me dizer que o jeito natural de correr era com o calcanhar, que só atleta de elite corria com a ponta do pé e que eu deveria correr com o calcanhar. A partir daí, já vi que não ia adiantar argumentar. Quando o médico diz que pisar com o médio pé te breca e o calcanhar é natural, resta apenas aguardar até fazer o raio x.

Talvez seja só desconhecimento, vai saber. Ele não precisa saber tudo. Ele sabe ver um raio x, por exemplo. Eu não sei olhar aquela folha preta e branca. Na parte de forma de correr, no entanto, não foi de grande ajuda. Ainda não sei bem o que vou fazer. Acredito que vou ter que voltar aos poucos, intercalando corrida com caminhada e melhorar a técnica de corrida. Se não tem fratura, tem jeito. Vou tentar descobrir, mas pelo jeito 2016 vai ser um ano de testes e aprendizados, sem muitos outros objetivos na corrida e nas provas.

(Visited 377 times, 1 visits today)

Sobre Enio Augusto

Começou a correr em 2008. Não estava acima do peso, mas descobriu que gostava de correr. Parecia simples e fácil. Corre mais por teimosia do que por algum talento natural. Sonha em correr mais rápido e acha que um dia vai chegar lá.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 pensamentos em “O raio x do pé

  • Erick

    Pois é Enio, sofri o mesmo na transição também!
    O gastrocnemio pegava fogo por semanas e o pé parecia que estava todo cortado, muito dolorido.
    O benefício de mudar a pisada ficou visível no meu pacer, musculos das pernas e principalmente as facias plantares, que quase não sinto mais.
    O que ajuda muito são aquelas bolas ortopédicas, para massagem, que tem em Pet shop também.

    😄

    Melhoras!

    • Enio Augusto Autor do post

      Bom saber que não sou só eu que sofro e que provavelmente tem jeito. 😀
      Vou pegar a bolinha que tenho lá em casa. De repente pode ajudar mesmo.
      Valeu!

  • Gustavo Bianch

    Se o médico nao tiver experiência com esporte, nem compensa consultar. Aliás, como vc mesmo disse, só para obter o exame e ver se tem alguma lesão. O que passar disso é desinformação respaldada pelo título de “doutor”. Prefiro fisioterapeutas.

    • Enio Augusto Autor do post

      Verdade. Fui no plantão mais para conseguir o raio x. Essa parte deu certo. A opinião do médico veio no combo, mas nem considerei.
      Pelo menos serviu para fazer este post.
      O que é do esporte já tem consulta marcada.