Movido pelo combo

Chegamos a sexta-feira. O fim de semana seria de corrida. Participaria da prova de 5 km da Meia Maratona de São José, mas um choque de datas acabou me tirando da corrida. Um concurso na mesma data em Vitória, no Espírito Santo, inviabilizou a prova de 5 km do lado de casa. Até surgiu a oportunidade de participar da Corrida da Água Fortlev em Serra, do lado de Vitória, mas quando vi que era viável as inscrições estavam encerradas. Foi até bom por um lado, pois não gastei R$ 76,00 na inscrição mais estimados R$ 23,00 de Uber.

Com essa viagem, apareceu a dúvida de toda viagem que me afaste do computador e da possibilidade de sincronizar os treinos do Garmin. Como não perder o combo do antigo Mova Mais, que agora se chama Heartbit? Este combo é quebrado quando passamos mais de dois dias sem registrar uma atividade física. Não sei se sincronizando depois desses dois dias uma atividade que aconteceu antes o combo volta. Agora não é o momento de testar. Estou com um combo de 69 dias, desde o dia 1º de janeiro.

Para quem não sabe o que é o Mova Mais/Heartbit, segue a definição encontrada no site:

O Heartbit acompanha sua rotina de exercícios físicos e te recompensa nos principais programas de benefícios do Brasil. O serviço incentiva pessoas a se exercitarem em troca de pontos em programas de fidelidade, que podem ser usados na compra de viagens, serviços e produtos. Os benefícios são financiados por empregadores, planos de saúde ou marcas patrocinadores.

Como o meu Garmin é o mais simples de todos, o Forerunner 10, ele não tem aquelas tecnologias de transferir o treino para o site ou aplicativo via Bluetooth ou coisa do tipo. É bem mecânico, engatando um cabo nele e o USB no notebook. Logo, não adianta eu correr apenas. Tem que transferir o treino. E isso não vai ser possível neste fim de semana porque vou levar na viagem o mínimo de coisas possível. A forma de resolver esse problema tem sido correr na sexta.

No caso desta viagem, ainda volto domingo, mas chego em casa depois da meia-noite. Aí já viu, né? Perderia o combo caso não corresse sexta e não transferisse os treinos do fim de semana. Corri hoje e agora sei que correndo ou não no fim de semana não há risco de ficar sem o combo. Ano passado cheguei a 152 dias de combo, mas a cirurgia nos olhos me fez parar. Então, defini como meta quase principal de 2017 manter um combo durante os 365 dias do ano.

Manter este combo durante o ano todo vai significar, além de um possível TOC, que não me lesionei e estive em movimento o ano inteiro, sem lesões e paradas inesperadas. Por enquanto, chegamos em 10 de março, 69 dias no ano, e os treinos estão saindo e melhorando progressivamente. Outra consequência desse combo vai ser acumular mais pontos. Depois do combo de 15 dias, cada dia de atividade rende mais 40 pontos a cada nova atividade. Atualmente, tenho 14.968 pontos.

Outra coisa legal é que eles estão fazendo cada vez mais desafios para gerar mais pontos e isso gera algumas medalhas. Essa parte de medalha é mais frescura, mas os pontos a mais são interessantes. Teve desafio de fim de ano, de carnaval, do dia da mulher. Com isso, vamos acumulando pontos. A parte ruim é que você só consegue converter isso em pontos Multiplus e a conversão é na proporção de 10 para 1. Ou seja, meus quase 15 mil pontos são na verdade 1.500 no Multiplus, o que não dá para trocar por quase nada.

Com 2.000 pontos dá para comprar uns bicos, cd’s, pilhas, enfim, nada muito vantajoso. De toda forma, vou acumulando meus pontos até encontrar uma boa promoção de passagem no Multiplus. Os pontos são válidos por 730 dias, o popular 2 anos. Como tenho a conta desde 23/06/2015 (consegui ver essa informação na configuração de perfil do site), ainda tenho uns meses para converter esses pontos.

Enio Augusto

Começou a correr em 2008. Não estava acima do peso, mas descobriu que gostava de correr. Parecia simples e fácil. Corre mais por teimosia do que por algum talento natural. Sonha em correr mais rápido e acha que um dia vai chegar lá.

2 comentários em “Movido pelo combo

  • 12/03/2017 em 9:13
    Permalink

    Comentei contigo pelo Instagram, mas vou comentar aqui também, pois pode ser útil pra mais alguém: podes sincronizar as atividades depois que o combo é recuperado se não houve intervalo maior do que dois dias. Eu faço isso sempre. O importante é ter a atividade. Quando o Heartbit sincroniza, ele puxa todo o histórico. Então se o combo foi quebrado, mas houve atividade durante o período, ele é reativado. Eu faço isso direto, principalmente em viagem, quando não estou com relógio o tempo todo e o uso de internet também é inconstante. Pra isso eu uso o Strava no celular. Saio pra passear e conhecer o lugar onde estou, aí aciono o Strava, registro uns 40 minutos de caminhada e pronto, combo salvo.
    Neste momento meu combo está quebrado. Mas tenho atividade de quinta e de sábado pra sincronizar, aí ele vai voltar.
    E curiosidade: meu combo tem o mesmo número de dias que o teu, pois eu também dei início ao meu no dia primeiro de janeiro. 🙂

    Resposta
    • 13/03/2017 em 10:06
      Permalink

      A sua mensagem me deu um alívio enorme. É muito bom saber que posso correr à vontade sem sincronizar todo dia.
      Agora vai ficar mais fácil manter a rotina de treinos. Não vou precisar fazer malabarismos.
      Obrigado pelo aviso! Ajudou muito.
      Rumo ao combo de 365 dias.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *