Fim de semana


O sábado começou com bicicleta. Deveria ser mais tempo, mas o frio e o vento me impediram de fazer muito mais do que 30 minutos. A bike faz sentir o vento, fica mais gelado e mesmo com as roupas que julguei adequadas estava frio. Dei uma volta pela cidade e pronto.

O treino mais importante era no domingo, de corrida. No sábado, acordei depois das 9h. No domingo, repeti a estratégia. Dormi até cansar e fui correr. A planilha pedia 8 vezes de 3 minutos. Não era nada muito complicado, mas não estava com muita vontade de correr no domingo.

Fiz o aquecimento e os dois primeiros tiros foram bem sem graça. Ritmo mais rápido que o trote, mas aquém do que poderia. No terceiro, já mais aquecido e sabendo que ia fazer as 8 repetições, começou a melhorar. De 5:30 e 5:25, passou para 5:11. Já era um bom sinal.

Depois desse, encontrei o ritmo do domingo. Fiz as repetições restantes em 5:04, 5:04, 5:01, 5:02 e 4:50. A maioria delas comecei mais rápido e o ritmo foi caindo. Mesmo assim, ficaram constantes. Gostei do resultado porque não senti cansaço em nenhum momento. Foi algo meio natural, sem forçar tanto.

Quando corri mais rápido, no último tiro, senti um pouco mais, mas nada anormal. Há algumas semanas, correndo nesse ritmo, estava quase morrendo. Ontem, rendeu melhor. Se estivesse em um dia bom, talvez conseguisse manter todos abaixo de 5 min/km. Desta vez, como foi treino por tempo, pude acompanhar o ritmo que estava fazendo. Foi nítido ver que o momento que senti mais foi quando estava abaixo de 4:40.

Com a vontade que saí de casa, gostei do resultado. Até porque vim de dois treinos com alguma intensidade também, na quarta e sexta. Foram 3 treinos razoavelmente puxados para o nível que estou. Todos com repetições e tentando manter abaixo ou rondando os 5 minutos por quilômetro.

Hoje e amanhã é folga da corrida, mas tem bike na planilha e o pilates na terça. Esse descanso vai ser importante para sentir como o joelho vai se comportar. Domingo foi o dia que ele quase quis reclamar. Nos outros treinos, foi tranquilo. Vamos ver se dois dias sem correr já ajudam ou se vou ter que dar mais tempo entre um treino de intensidade e outro. Talvez apenas 1 dia, mantendo essa sequência, fique pesado.


Sobre Enio Augusto

Começou a correr em 2008. Não estava acima do peso, mas descobriu que gostava de correr. Parecia simples e fácil. Corre mais por teimosia do que por algum talento natural. Sonha em correr mais rápido e acha que um dia vai chegar lá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *