Fazendo mais testes 2


Ontem foi o meu primeiro teste, a primeira vez que decidi sair de bike pelas ruas da cidade com outro objetivo, sem simplesmente ser para treinar. Já tinha pensado nessa hipótese anteriormente, mas a preguiça venceu. Ontem não. Decidi que não ia gastar gasolina do carro para fazer um trajeto curto rumo ao lugar onde corto o cabelo.

Comprei aqueles cadeados de bicicleta e ainda não tinha testado na prática, prendendo em um poste ou ferro ao ar livre. Ontem foi o dia. Fui pedalando de casa até a cabeleireira. Levei o Garmin junto já para registrar o treino e contar aquela meia horinha do Heartbit. Eis que me surpreendo quando chego lá e tinha dado pouco mais de 5 minutos.

Foi aí que me dei conta de que andando talvez eu não levasse 15 minutos. De bicicleta acabou até sendo mais rápido do que de carro, porque o carro tem semáforos e ruas que não dá para passar. Prendi a bicicleta lá no poste, não sem antes, é claro, colocar o cadeado de forma errada. Na primeira tentativa, confundi as voltas e acabei colocando o cadeado apenas em volta da bike. Bem a minha cara.

Percebi que não estava prendendo nada a lugar algum e refiz a obra de arte. Na segunda tentativa, sucesso total. Entre as vagas de carro, sem atrapalhar ninguém. Esse teste foi bom porque pretendo ir trabalhar de bicicleta no futuro. Falta ainda um capacete para eu ter mais segurança. Serviu para sentir o quanto suo ou não pedalando em ritmo de passeio, sem maiores preocupações com velocidade, usando roupa que não seja de corrida.

Cortei o cabelo e voltei para casa. Como o trajeto era curto, dei várias voltas pelas ruas da cidade até completar mais de meia hora. Gostei do teste e vou tentar fazer mais coisas do tipo. Ainda estou pensando se arrisco ir ao trabalho sem capacete. Nunca tive problemas, mas vai saber. Fico meio preocupado. Tem também o fato de que ir de manhã é legal e tranquilo.

Evita o trânsito, passa os carros, chega fácil, sem muitos problemas. A volta que é ruim. Você trabalhou o dia todo e só quer chegar logo em casa. Do trabalho para casa é mais rápido de carro, pelo menos metade do tempo. Se vou de bicicleta, acho que vai dar um pequeno arrependimento no fim do expediente. Talvez o menor gasto de combustível e o exercício a mais compensem. Vou pensar nisso. Pode ser que vire realidade nas próximas semanas.


Sobre Enio Augusto

Começou a correr em 2008. Não estava acima do peso, mas descobriu que gostava de correr. Parecia simples e fácil. Corre mais por teimosia do que por algum talento natural. Sonha em correr mais rápido e acha que um dia vai chegar lá.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 pensamentos em “Fazendo mais testes

  • César Condrati

    Antigamente costumava ir/voltar de bike ou correndo do trabalho, mas confesso… faltava motivação. Há dois meses e meio mudou o lugar de trabalho, agora no centro da cidade, de carro pega muito engarrafamento, sem falar também num custo extra com estacionamento. Infelizmente não tem lugar pra tomar banho como no outro local, então a alternativa foi utilizar um meio de transporte público de manhã, e volto correndo os 11km no final da tarde. Nesse período, apenas 5 dias voltei de ônibus ou carro (por causa de outros compromissos). E está muito bom, inclusive com treino super em dia.

    • Enio Augusto Autor do post

      Ainda estou amadurecendo a ideia, mas a tendência é fazer algumas tentativas em breve.
      Acredito que a distância e a velocidade influenciam. Tenho colegas que vão de bicicleta e não precisam trocar de roupa nem tomar banho.
      Já voltei correndo para casa. O meu problema era a logística de roupas para levar e deixar no trabalho.
      Também tenho esse problema de não ter local para tomar banho, caso fosse necessário.
      É válido tentar todas as formas possíveis para evitar trânsito e gastos extras.
      Quando penso na gasolina que posso não gastar mais, a vontade só aumenta.