Aos poucos


É muito interessante perceber como os treinos vão encaixando. A evolução fica mais nítida a cada dia. Depois dos problemas que tive no joelho em abril, achei que 2017 estava totalmente perdido. Pensei que a cirurgia era a única solução. As coisas não pareciam ter muito jeito.

A gente sabe que o tempo resolve quase tudo e se você colaborar fica mais fácil. Lá em abril eu nem imaginava que agora em setembro estaria em situação muito melhor e com boas perspectivas. Desde julho, os treinos estão saindo de forma consistente.

As dores no joelho foram sumindo, quase nem lembro mais que ali tem um menisco rompido, e os treinos estão em ritmo cada vez melhor. Acredito que menos treinos e mais curtos, embora mais intensos, e o pilates ajudaram bastante nisso. Pedalar também teve sua contribuição.

Nesse período, a evolução foi acontecendo. No meu mundo super profissional de corredor amador, finalmente estou conseguindo correr como gostaria. Ainda tem que melhorar, mas temos bons motivos para acreditar que isso vai acontecer. Os treinos de tiro estão mais rápidos e as rodagens estão mais naturais.

Fico satisfeito em ver que o ritmo leve está novamente beirando os 5:50, abaixo de 6 min/km. Em time que está ganhando, não se mexe. Apenas fazemos adaptações para continuar ganhando. Os planos até o fim do ano seguem focados nas distâncias curtas. Espero fazer alguma prova de 5 km abaixo de 24 minutos. Se tudo continuar bem, ano que vem vejo se vale a pena aumentar as distâncias e mudar o foco.


Sobre Enio Augusto

Começou a correr em 2008. Não estava acima do peso, mas descobriu que gostava de correr. Parecia simples e fácil. Corre mais por teimosia do que por algum talento natural. Sonha em correr mais rápido e acha que um dia vai chegar lá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *