50 minutos


Acertei na decisão de adiar o treino de quarta na chuva para quinta, sem chuva e com sol. Ontem o dia estava muito bom. O previsto era correr 50 minutos. Como o joelho estava bem, a chuva parou e tudo parecia conspirar a favor, estava animado. Não corria desde sábado. Já estava na hora.

A vontade era tanta que nem almocei. Cheguei em casa 13h40, troquei de roupa e fui correr. Um jejum de 16, 17 horas. Almocei depois do treino, lá pelas 15h. Fazia tempo que não corria nesse horário do início da tarde. Tinha esquecido como é bom correr nesse período quando está um pouco mais frio.

O sol e os 27ºC no termômetro da rua não refletiam tanto calor, mas estava quente. A minha falta de preparo sentiu um pouco. No entanto, quem mais sentiu foram as panturrilhas. O joelho respondeu bem, mas as panturrilhas ainda não estão acostumadas. Foi sofrido o início. Depois, melhorou um pouco, mas não estava bom ainda.

Dos 50 minutos, consegui correr direto pouco mais de 5 km, deu uns 32 minutos. A partir dali, comecei a intercalar com caminhada. Apesar de ter conseguido manter um ritmo razoável, entre 6:04 e 6:26, quis descansar as panturrilhas. Corria alguns minutos e caminhava outro tanto. Fui assim até fechar os 50 minutos, que terminaram com 7,71 km e ritmo de 6:29 min/km.

O que notei é que todo o resto do corpo respondeu bem, mesmo o joelho, que só de vez em quando, mais no início, reclamou, mas se ajeitou. As panturrilhas é que destoaram. Os treinos de corrida duas vezes por semana estão sendo úteis para o joelho, mas a consequência é a demora das panturrilhas se acostumarem. Atualmente, é o que mais tem me atrapalhado para correr.

Sábado tenho um treino mais longo e vai ser um bom teste. Serão 15 repetições de 3 minutos e o objetivo é correr todas no ritmo desejado na meia maratona, ali por 5:40 ou menos. Na semana que vem, talvez os treinos de corrida aumentem. Mais treinos, mais curtos, mas mais intensos. As panturrilhas tem que saber que dia 11 de junho elas serão bastante exigidas.

Analisando toda a situação, seria muito melhor ter sentido as dores no joelho e parado em março. Abril ficou muito em cima da meia. Mais uma vez, a preparação não é adequada. Sei que corro o risco de me prejudicar mais para frente, alguma nova lesão ou coisa do tipo, mas vai ser assim mesmo. Espero que as consequências disso não sejam tão ruins.


Sobre Enio Augusto

Começou a correr em 2008. Não estava acima do peso, mas descobriu que gostava de correr. Parecia simples e fácil. Corre mais por teimosia do que por algum talento natural. Sonha em correr mais rápido e acha que um dia vai chegar lá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *